A Beautiful Mess

 Certa vez ficamos em minha casa, bebericando chocolate quente feito por ele e pesquisando desenhos para a tatuagem que ele queria fazer. Me sentia cuidada e querida, ao mesmo tempo que fazia isso por ele também. Animados, trocamos idéias e carinhos como eu nunca havia experimentado antes. Por conta desse êxtase que a afinidade criara, esse momento ficou marcado em minha memória.

A realidade entre nós não era tão bonita como naquela noite. Nossa história começou e terminou errada, permanecemos enfiados numa relação que sequer existia, éramos um casal fantasma. A gente vivia e sentia coisas diferentes naquela época e eu sabia disso, mas minha mania de manter a esperança agarrada em detalhes me manteve ao lado dele por oito longos meses.

Aquela noite especial adentrou a madrugada e ele ficou até o amanhecer comigo. Despertei antes dele e fiquei admirando o rosto que me trazia tanto amor e tanta dor, ali ao meu lado, despretensioso. A claridade invadiu o quarto e ele acordou, lindo e surpreso ao me descobrir olhando-o com ternura. No rádio tocou uma linda canção do Jason Mraz que parecia descrever aquilo tudo: uma linda bagunça. Imediatamente dediquei aquela música a ele.

Quando tudo teve fim, passei meses me recuperando dos fundos cortes que ficaram e fui incapaz nessa fase de ouvir A Beautiful Mess. Doía demais. Foi por isso que ao sair do buraco onde havia me escondido por tempos, quis me testar e fui ouvir a tal canção mais uma vez. Qual foi minha surpresa ao entender que a letra nunca teve ligação com aquele homem… a verdade é que esse som é a minha descrição, é tudo que há dentro de mim.

Hoje sei que sou eu a bagunça bonita. E sorte do cara que conseguir enxergar em mim tudo o que essa música traduziu.

Música: A Beautiful Mess (Jason Mraz)