Fallin’

aliciaEle sabia que eu era só dele e me fazia de gato e sapato. Não sentia compaixão pelo meu desespero avassalador e abusava do meu amor quando bem queria.

Um dia, já cansada daquela bagunça sentimental, decidi dar um basta na história toda. E o fiz magistralmente.

Marcamos para nos encontrar em uma noite qualquer da semana. Como era de costume, passaríamos a noite em um motel meia-boca que havia virado nosso refúgio meses antes.

Coloquei um lindo vestidinho preto, que deixava minhas costas tatuadas desnudas num belo decote. Subi em minha sandália vermelha, me maquiei, arrumei o cabelo que era longo e borrifei o perfume que ele gostava em pontos estratégicos do corpo. Me vesti de coragem e antes de sair de casa escrevi a letra dessa música da Alicia num papel; a canção descrevia bem o que eu sentia.

Ele me levou até o nosso “pulgueiro” predileto para o que seria a melhor noite de nossa estranha relação. Fui decidida a proporcionar a melhor transa da vida do cara. Cada toque meu era carregado de paixão e mágoa, mas ele era incapaz de perceber essa sutileza em meio ao êxtase. A transa foi cinematográfica, com pernas, mãos e corpos num encaixe perfeito. Depois do auge, ainda tiramos aquela soneca de pernas entrelaçadas para acalmar o coração e preparar o estômago.

No comecinho da manhã seguinte, ele me levou em casa. Antes de sair do carro dei o beijo urgente da despedida. Saquei da bolsa aquele papel com a letra da música e um adeus, deixei no assento do passageiro ainda quente e parti sem olhar para trás ou para a possibilidade de vida a dois que acabara de deixar ali. Quase um crime perfeito, não fosse a memória que guardei na pele.

Música: Fallin‘ (Alicia Keys)